Natalidade e fiscalidade são coisas inconciliáveis, pelo menos cá em casa e sobretudo a meio de agosto, quando cinco selvagens me obrigam a recomeçar este texto vezes sem conta. Mas como me dizia o Professor Saldanha Sanches a desabafos deste género, “vous l’avez voulu, George Dandin…”.

Leia o artigo na íntegra aqui: Procriação fiscalmente assistida? – Colunistas – Jornal de Negócios.

Anúncios